terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Óbidos Vila Natal


Óbidos Vila Natal









Este ano o dia de Natal foi passado em Óbidos. Depois de muito se falar na comunicação social sobre a "Vila Natal,  a família foi unânime na escolha. Já visitámos Óbidos várias vezes, mas nunca nesta altura do ano.
No dia 25 de Dezembro os portões do castelo  só abriram às 16:00 horas para encerrarem às 20:00 horas, parece que a Vila-Natal está praticamente encerrada no Natal, o que não deixa de ser interessante.  Mas vamos falar um pouco desta "Vila Natal", e do seu "mundo mágico" tão badalado pela comunicação social...

Logo que passamos o portão do Castelo vários "Robin dos Bosques" com aves acorrentadas incentivam os visitantes à foto paga! Mais uns passos, encontramos várias barraquinhas de comida e artesanato (a preços inflacionados), num espaço mais elevado encontramos uma pequena casinha à moda de "Bilbo Baggins" que dizem ser a casa do Pai Natal. Por sinal, o Pai Natal na noite de consoada bebeu mais do que devia e estava delirante, o que provocou o desagrado de algumas pessoas que passaram muito tempo na fila com crianças!
Se as expectativas eram muitas, a desilusão foi muito maior. A Vila Natal pouco tem de Natal...
À noite, o recinto não está devidamente iluminado, e os candeeiros em forma de chupa-chupa são a única coisa que ainda dá algum colorido à vila. Sinceramente duvido que quem pagou 6,00 € por bilhete e passou mais de 4 horas na fila para entrar consiga sair satisfeito da Vila Natal.
A roda, o carrossel, a pista de gelo e todas as atracções que se encontra no recinto, não estão incluídas no preço do bilhete e são pagas à parte.
Resumindo, a vila-Natal é uma profunda desilusão, com excepção dos espectáculos de marionetas e de magia!
O facto desta iniciativa ser um fiasco total, não invalida que Óbidos perca o seu encanto...
 


Óbidos








Porta da Vila

Entrada principal da Vila, é encimada pela inscrição - «A Virgem Nossa Senhora foi concebida sem pecado original» - mandada colocar pelo Rei D. João IV, em agradecimento pela protecção da Padroeira aquando da Restauração da Independência em 1640. No seu interior encontra-se a capela-oratório de Nossa Senhora da Piedade, Padroeira da Vila, com varandim barroco e azulejos azuis e brancos (c.1740-1750) com motivos alegóricos à Paixão de Cristo, representando a Agonia de Jesus no Horto e a Prisão de Jesus.









Pelourinho e Telheiro 

Telheiro 

 Situado na Praça de Santa Maria, junto ao Pelourinho, serviu de mercado da Vila até ao início do século XX.

Pelourinho 

Coluna de pedra, símbolo do poder Municipal, apresenta as armas reais e o camaroeiro símbolo da Rainha D. Leonor. Encontra-se por cima do chafariz da Praça de Santa Maria, mas deverá ter estado frente à Casa da Câmara (antigamente junto à Igreja de Santa Maria).























Igreja de São Pedro

 

De fundação Medieval, da sua construção inicial conserva apenas os vestígios do antigo portal gótico na fachada. Foi reformada na segunda metade do século XVI, como outras igrejas da Vila, de que subsistem o portal principal classicizante, a capela baptismal à entrada do lado do Evangelho, coberta por uma pequena cúpula reticulada assente sobre trompas concheadas, e a escada helicoidal da torre sineira. Muito afectada pelo terramoto de 1755, destaca-se no seu interior, de nave única, o magnífico retábulo barroco de talha dourada do período joanino. A antiga pintura da tribuna do retábulo - S. Pedro a receber de Cristo as chaves do Céu - de finais do século XVII ou princípios do XVIII (Sérgio Gorjão, 2000), encontra-se actualmente na parede do lado da Epístola. Nesta igreja foi sepultada a pintora Josefa de Óbidos (1630-1684) e o Padre Francisco Rafael da Silveira Malhão (1794-1860), este com lápide evocativa na capela-mor. 









Presépio na Praça da Igreja Matriz. 





Igreja de Santa Maria   


Igreja matriz, localizada na praça do mesmo nome, é o principal templo de Óbidos. Embora a tradição faça remontar a sua fundação ao período visigótico, transformada em mesquita no período muçulmano e novamente sagrada por D. Afonso Henriques logo após a conquista da Vila em 1148, o facto de se encontrar fora da primitiva cerca muralhada parece contrariar esta hipótese. Não se conhecendo a data exacta da fundação, é um facto que o priorado da nova igreja foi entregue a S. Teotónio, companheiro de D. Afonso Henriques, grande figura da Igreja e prior do poderoso Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra, que teve o padroado da Igreja de Santa Maria até D. João III o ter doado a sua mulher, a Rainha D. Catarina de Áustria. Foi também sede de uma colegiada (comunidade formada por prior e oito beneficiados), suprimida pela legislação liberal em meados do século XIX.

O templo medieval foi profundamente reformado pela Rainha D. Leonor em finais do século XV, arrastando-se as obras pelo primeiro quartel do século XVI. Data desta campanha a torre sineira, adossada à fachada e coberta por coruchéu piramidal de oitavado.





























































Castelo    

                               

Atribui-se ao Castelo de Óbidos origem romana, provavelmente assente num castro. Foi  posteriormente fortificação sob o domínio árabe. Depois de conquistado pelos cristãos (1148) foi várias vezes reparado e ampliado. No reinado de D. Manuel I, o seu alcaide manda construir um paço e alterar algumas partes do castelo. No Paço dos Alcaides salientam-se as janelas de belo recorte manuelino abertas para o interior do pátio. São ainda do seu tempo a chaminé existente na sala principal e o portal encimado pelas armas reais e da família Noronha, ladeado por duas esferas armilares. O Paço sofreu fortes danos com o terramoto de 1755. No século XX estava em total ruína tendo sido recuperado para instalar a Pousada (a primeira pousada do Estado em edifício histórico).











A Encosta do Pai Natal, com a respectiva casa.














Guarda chuvas e chapéus com pernas, enfeitam as árvores do recinto!





















Vazio cheio de Luz

Caixa de sombras feita por crianças da escola com materiais reciclados.





























Nem o símbolo do evento teve direito a iluminação...







Pinturas faciais em crianças.









Labirinto da Ilusão








Espectáculo de magia








Espectáculos de marionetas

































Rua Direita - Rua Principal

Conhecida com esta designação já no séc. XIV, liga a porta da Vila ao Paço dos Alcaides. Nos séculos XVI e XVII a rua Direita sofreu importantes transformações, ficando ocultados alguns dos antigos portais góticos das casas.






Na saída da vila um "fantasma" deseja-nos boas festas! ;)











Dicas


Óbidos goza de uma localização privilegiada estando localizada a cerca de 80 quilómetros a norte de Lisboa.

Como chegar:  

Por automóvel – Em direcção Lisboa – Leiria, tome a A8 e deixe a auto-estrada na saída 15. O tempo de viagem demora cerca de 40 a 50 minutos.

De Santarém tome a Auto-estrada A15.

Do Porto, tome a A1 até Leiria. Em Leiria tome a A8.



Chegando a Óbidos, existem Parques de Estacionamento, devidamente assinalados na parte exterior do Centro Histórico. Dois destes Parques são pagos (parques asfaltados junto ao Posto de Turismo). Existe igualmente um Parque adicional para Auto-caravanas (também pago).



Posto de Turismo

O Posto de Turismo de Óbidos encontra-se junto ao Parque de Estacionamento principal, a cerca de 200 metros da entrada da vila de Óbidos.

1 comentário:

  1. Também já visitei Óbidos e adorei, principalmente na altura do Festival de Chocolate! Quanto à "Vila Natal" é uma pena que não tenham investido mais nalguns aspectos, tais como nesse mesmo da iluminação, pois à noitinha não proporciona um ambiente agradável.

    http://estasaudosacasa.blogspot.com/

    ResponderEliminar