sexta-feira, 3 de julho de 2015

museu Van Gogh


Van Gogh Museum
(Amesterdão)


Inaugurado em 1973  este edifício foi desenhado pelo arquiteto De Stijl, Gerrit Rietveld e construído com o intuito de expor a colecção que o irmão de Van Gohg,  Theo, um negociante de arte, reuniu e que contava com 200 dos seus quadros e 500 desenhos. Estes combinados com cerca de 850 cartas que o pintor escreveu para Theo, assim obras escolhidas dos seus amigos e conterrâneos.
Mais tarde foi construído um pavilhão anexo que invade o Museumplein, projecto encomendado a Kishio Kurosawa em 1999, conhecido popularmente como “o mexilhão”










Vicent Van Gogh (1853-90), nascido em Zundert, teve uma vida curta, mas muito prolífica. Começou a pintar em 1880. Através das suas pinturas pode-se conhecer a sua biografia, da Holanda a Paris.
 Trabalhou nos Países baixos durante 5 anos antes de se mudar para Paris, instalando-se mais tarde em Arles. Após ter cortado parte de uma orelha e de a ter oferecido a uma prostituta local, deu entrada voluntariamente num hospício em Saint Remy onde a sua arte tomou uma forma expressionista. A sua angustia transparece na forma como pintou árvores deformadas e céus ameaçadores como no desolador campo de trigo com corvos, pouco depois de terminar este quadro suicidou-se com uma arma de fogo aos 37 anos.



 





 Entre as obras mais famosas expostas no museu, destacam-se Os comedores de Batatas  (1888) paradigma da sua sóbria etapa holandesa, A casa Amarela de Arles (1888) e o Quarto (1888), além de vários auto-retratos, quadros de girassóis e de flores que demonstram a sua mestria no uso da cor sob a intensa luz mediterrânica. A colecção permanente inclui muito dos seus objecto pessoais, como o jarro de leite oferecido pelo seu irmão e as mechas de lã que utilizava para estudar os contrastes de cor. As telas de Van Gogh estão no primeiro andar, nos restantes estão  expostos desenhos e estampas japonesas, além das obras dos seus amigos contemporâneos e outros pintores sobre os quais teve influência, como Gauguin, Toulouse-Lautrec, Monet e Bernard.











Os quadros do período holandês de Van Gogh e do seu tempo em Paris e na Provença estão no primeiro andar. A colecção de estudos, as exposições ocasionais dos desenhos de Van Gogh e outras exposições temporárias estão no segundo andar. Obras de outros artistas de século XIX estão no terceiro andar e no rés-do-chão, onde também há uma livraria e um café. A nova ala acolhe exposições temporárias.












  Os comedores de Batatas  (1888)

Paradigma da sua sóbria etapa holandesa.









 A casa Amarela de Arles (1888)















O quarto de Arles (1888)

Uma das obras mais conhecidas de Van Gogh, esta foi pintada para comemorar a estabilidade doméstica na Casa Amarela em Arles. Ficou tão contente com o quadro amarelo que o pintou duas vezes.














Os  Girassóis (1889)


Os amarelos e  verdes vivos nesta versão de Os Girassóis de van Gogh foram enriquecidos com pinceladas de malva-claro e vermelho.











Pietà (segundo Delacroix) (1889)

Van Gogh pintou este quadro quando estava no hospital em Saint-Rémy. Pensa-se que a imagem de Cristo é um auto-retrato.








 Corvos sobre as Searas (1890)



Os corvos ameaçadores e a violência  do céu num dos seus últimos quadros mostram a angustia mental de Van Gogh.











 As largas pinceladas e cores carregadas que caracterizam as obras de Van Gogh entre 1887-902 reflectem a a influencia da sua mudança para Paris em 1886 e do impressionismo na representação da sua rua e de cenas de café. Cansado da vida citadina, muda-se para Arles em 1888 onde,apaixonado pela intensa luz do sol e pelas cores brilhantes da Provença, pintou muitos dos seus melhores quadros. Adorava o sol, e o amarelo tornou-se cada vez mais predominante nos seus quadros, como por exemplo Ceia em La Crau e as séries dos Girassóis.









Informações:



Morada: Paulus Potterstraat, 7


Funciona das 10:00 às 18:00 diariamente e à sexta das 10:00 às 22:00


Encerra a 1 de Janeiro


Preço dos Bilhetes: Veja aqui


Eléctricos: 1,2,3,5, mas utilize o
Programar de Rotas nos transportes públicos: Aqui

Sendo uma das 5 principais atracções turísticas de Amesterdão, o museu tem por norma longas filas. Compre o bilhete antecipamdamente Aqui 

Para quem comprar o  I amsterdam City Card o bilhete para entrada no museu está incluído, não necessita estar na fila. Passe a longa fila que normalmente existe à entrada do museu, dirija-se aos seguranças que estão na entrada principal e mostre o cartão.
A compra deste cartão compensa bastante para quem pensa visitar alguns museus e atracções em Amesterdão, pois além dos transportes públicos tem grandes descontos incluídos. 





Sem comentários:

Enviar um comentário

Printfriendly