sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Museu do Pão


Museu do Pão


Situado em Seia, em plena Serra da Estrela, o Museu do Pão é um complexo museológico onde é possível fazer uma pequena viagem ao  mundo do Pão.









Os temas abordados nas salas expositivas são:

O Ciclo do Pão
* O Pão Político, Social e Religioso
* A Arte do Pão 
* Espaço Temático


Pormenor dos cortinados das janelas do museu


A palavra "Pão" escrita em todas as línguas do mundo





Nesta sala, a história do pão  é contada às crianças através de marionetas 







Cereais utilizados no fabrico do pão 



Balança de pesos utilizada para pesar os cereais 


Livros de agricultura do séc. XX

Espigas




Foice e canudos de cana. Os canudos de cana eram colocados nos dedos das ceifeiras, para não se cortarem com a foice.




O "cocho" ou "cocharro" feito em cortiça era utilizado para se beber água. A aguadeira (mulher que distribuía água pelo rancho) tinha de percorrer por vezes vários km por dia para encher o cântaro de barro nas fontes. Na altura da ceifa era uma missão muito dura!  


Revista Alentejana do Séc. XX, na capa vê-se uma mulher vestida com o fato tradicional de ceifeira Alentejana.


O cesto onde se transportava a comida para o trabalho, uma garrafa onde se levava o vinho e um copo.


Uma armadilha que servia para apanhar os animais que comiam os cereais (pássaros e ratos) na sua maioria.



O malho - este objecto servia para malhar os cereais na eira, desta forma o grão era separado da espiga.




Canastro ou espigueiro - serviam para guardar os cereais no norte do país.







Medidas de madeira - Neste caso a quarta parte de um kg (ou seja 250 gr), enchia-se a medida com o cereal e passava-se com uma tábua para alisar. Os grãos que estavam em excesso caiam e ficava-se com a quantidade certa na medida.

Canastra e cesto fixo numa bicicleta a pedais que servia para a padeira/o distribuir o pão.


Exemplos de Broa de milho e centeio

Desenho de uma padeira

Vários tipos de farinha obtidas através dos vários tipos de cereais (milho, trigo e centeio)


Fogão a petróleo que servia para as pessoas cozinharem e almotolia (recipiente onde se guardava o azeite)




Objectos utilizados nos fornos de cozer o pão



O pão associado à politica


O pão e o Judaísmo 

O pão e a religião católica 





O Dia da espiga ou Quinta-feira da espiga é celebrado no dia da Quinta-feira da Ascensão com um passeio matinal, em que se colhe espigas de vários cereais, flores campestres e raminhos de oliveira para formar um ramo, a que se chama de espiga. Segundo a tradição o ramo deve ser colocado por detrás da porta de entrada, e só deve ser substituído por um novo no dia da espiga do ano seguinte.

As várias plantas que compõem a espiga têm um valor simbólico profano e um valor religioso.

Crê-se que esta celebração tenha origem nas antigas tradições pagãs e esteja ligada à tradição dos Maios e das Maias.

O dia da espiga era também o "dia da hora" e considerado "o dia mais santo do ano", um dia em que não se devia trabalhar. Era chamado o dia da hora porque havia uma hora, o meio-dia, em que em que tudo parava, "as águas dos ribeiros não correm, o leite não coalha, o pão não leveda e as folhas se cruzam". Era nessa hora que se colhiam as plantas para fazer o ramo da espiga e também se colhiam as ervas medicinais. Em dias de trovoadas queimava-se um pouco da espiga no fogo da lareira para afastar os raios.

A simbologia por detrás das plantas que formam o ramo de espiga:



Espiga – pão;
Malmequer – ouro e prata;
Papoila – amor e vida;
Oliveira – azeite e paz; luz;
Videira – vinho e alegria
Alecrim – saúde e força.




A "Espiga"





A lenda dos pães de Santo António



“ António comovia-se tanto com a pobreza que, certa vez, distribuiu aos pobres todo o pão do convento em que vivia. O frade padeiro ficou em apuros, quando, na hora da refeição, percebeu que os frades não tinham o que comer: os pães tinham sido roubados”.
Atónito, foi contar ao santo o ocorrido. Este mandou que verificasse melhor o lugar em que os tinha deixado. O Irmão padeiro voltou estupefacto e alegre: os cestos transbordavam de pão, tanto que foram distribuídos aos frades e aos pobres do convento."




Festa dos Tabuleiros de Tomar

O traço mais característico desta festa é o Desfile ou Procissão dos tabuleiros, que representam as freguesias do concelho e percorre a ruas de Tomar por 5 km, ladeado pelas colchas que a população pendeu à janela, e os milhares de visitantes que vêm se deslumbrar por essa profusão de cores.
Tradicionalmente, o tabuleiro é transportado por uma rapariga vestida de branco e terá de ter a altura da mesma. Este é decorado por flores de papel colorido, espigas de trigo, 30 pães, de 400gr cada, enfiados em canas que saem de um cesto de vime evolvido por um pano banco bordado. O topo do tabuleiro é ainda composto por uma coroa encimado pela Cruz de Cristo ou a Pomba do Espírito Santo.














O tema do pão abordado nos livros da escola primária




Notas:

Como chegar

Rua de Santa Ana • Quinta Fonte do Marrão, 6270-909 Seia, Portugal 
Telf.: 238 310 760 • Fax: 238 310 769 

GPS
40°25'04.6"N
7°41'41.0"W


Sem comentários:

Enviar um comentário

Printfriendly